Recuperando.Histórias

         Resgate e valorização da cultura capixaba

JOSÉ SILVESTRE VIEIRA: origem familiar, história e fatos que marcaram a sua vida e a de seus familiares.

Afonso Cláudio
Quando do projeto deste livro, pensamos, inicialmente, em só listar os casamentos dos filhos do “Vovô Vieira” e demais familiares, mas as dificuldades de identificá-los e a própria emoção de falar ao telefone com parentes com quem não mantínhamos qualquer comunicação e outras que nem conhecíamos acabaram nos entusiasmando para procurar resgatar parte da história e das estórias de nossa família, como um todo. Falar várias vezes com parentes que nunca vimos foi o oxigênio e empurrão para que não desanimássemos da árdua tarefa. Fugindo às nossas características, tivemos que incomodar algumas pessoas, por várias ocasiões, mas se não fosse assim não teríamos alcançado nosso objetivo.
Não se trata de um levantamento acabado, mas um marco que deve ser realimentado, pois foi muito difícil a identificação de vários documentos e local de moradia de alguns parentes, exatamente por não se possuir um “banco de dados” destas informações. No próprio período deste levantamento alguns endereços e telefones já haviam se alterado.
Aproveitamos para nominar, quando foi possível, os endereços e telefones de cada tronco familiar para que aqueles que assim o desejarem possam fazer contato entre si. O desaparecimento dos dados pessoais do vovô Vieira, após o seu falecimento, foi outra grande dificuldade, pois não se sabia quem os levou e para onde (certidão de nascimento, casamento, identidade, título de eleitor, fotos, etc...). A mesma dificuldade se apresentou quando a pesquisa ocorreu com os seus antepassados. Para este resgate, e de outros, contamos com a boa vontade da prima Cintia Vieira Petronetto, oficiala e tabeliã do cartório de registro civil de pessoas naturais e tabelionato de Afonso Cláudio. Através de diversas pesquisas, Cintia conseguiu recuperar parte desta documentação, especificamente aquelas relacionadas a nascimentos, casamentos e falecimentos e também de alguns parentes listados no último capítulo deste livro (Agradecimentos).
Surpresa grande foi o fato de descobrirmos que a origem da família, no Brasil, é mineira e não fluminense como até então se pensava, pois algumas pessoas afirmavam que o nosso bisavô e avô eram de Varrisae, próximo a Campos - RJ. O nosso bisavô era de fato mineiro, de Pirapetinga, a bisavó de São José do Calçado (ES), vovô Vieira, natural de Lagoa - Afonso Cláudio, cuja primeira esposa, Jovita, também era mineira, de Visconde do Rio Branco.
Estudar, interpretar fatos, coletar os dados estatísticos e pesquisar à exaustão os acontecimentos dispersos nos fragmentados arquivos existentes foi outra tarefa difícil, pois infelizmente não se dá atenção e valor aos arquivos. Alguns já perdidos por algum motivo e os existentes sendo destruídos pelas interpéries do tempo, por traças, pelo uso e não preocupação com a sua manutenção e guarda.
A obrigatoriedade dos registros em cartório teve início somente a partir de 1891. Registros anteriores a esta data só eram possíveis de se saber nos arquivos das igrejas onde as pessoas foram batizadas, casadas ou receberam os sacramentos da penitência e /ou extrema-unção (falecimentos), não se encontrando na maioria das vezes nos locais de nascimento, demandando enorme paciência para encontrá-los. Ou não.
O início de toda a família é procedente da Europa, mais precisamente de Portugal e da Alemanha, pois os pais do nosso bisavô José Marcellino vieram daqueles países. Assim começava o ramo da família Vieira. Para se chegar a esta informação, o primo Sinval, que atualmente reside no Rio de Janeiro, nos propiciou alguns contatos com parentes que acabaram nos levando a esta história e a outras referentes a familiares diversos, cujo marco se deu através de José Cardoso Vieira, da mesma cidade.
A maior recompensa por todo e qualquer esforço pessoal foi, propiciarmos o reencontro através de telefonemas, de alguns parentes que não se viam ou se comunicavam há anos. Não se pretendeu dar ao trabalho uma formatação científica, mas as orientações de Alvanir1 de uma certa forma vieram nortear a metodologia por nós adotada. Em várias ocasiões, as orientações coincidiram com o modelo que utilizamos. O que mais coincidiu foram os ingredientes: “tempo, paciência, diligência, imaginação, força de vontade e, principalmente, perseverança”. O trabalho teve início em outubro de 1999 e 44 (quarenta e quatro) meses se passaram para a sua conclusão. Esperamos sinceramente que este levantamento alcance as expectativas de todos, agradecendo àqueles que, direta ou indiretamente, nos ajudaram nessa árdua, porém gratificante tarefa.

recuperando histórias © 2012
Enviar Comentário

Nome:    
Email:    
Comentário: