Recuperando.Histórias

         Resgate e valorização da cultura capixaba

Afonso Cláudio – Cronologia da sua História Política, Administrativa e Cultural

Afonso Cláudio
Quando recebemos o desafio do Sr. Jônice TristãoI para escrevermos sobre a memória administrativa, política e cultural de Afonso Cláudio, não imaginávamos as dificuldades que encontraríamos para fazer as pesquisas.
Só não chegou a ser nenhuma surpresa porque, na maioria das pesquisas que já realizamos sobre o mesmo assunto, a constatação foi sempre a mesma: os dados já não existem mais! Entretanto, não imaginávamos que no caso específico de Afonso Cláudio fosse tão drástico. O município foi criado em 1891, e nos seus principais arquivos públicos, a constatação foi de assustar, pois no da Prefeitura Municipal só há dados completos a partir de 1986. Só encontramos decretos a partir de 1930, portarias de 1941 e leis de 1957 em diante. No da Câmara Municipal a partir de 1948. Anteriormente a essas datas, há poucos dados, aqui e acolá, esporádicos e incompletos.

A solução foi realizarmos pesquisas no APEES – Arquivo Público do Estado do Espírito Santo a partir de 1891, onde encontramos algumas referências sobre a administração. Outra fonte de pesquisa foram jornais antigos como “O ALTO GUANDڔ, “O AFFONSO CLÁUDIO” e “CORREIO DO CENTRO”, todos de propriedade do Sr. Sebastião Fafá, com numerações incompletas e, em alguns casos, de difícil leitura dado o estado de conservação. Os jornais criados foram de lideranças políticas, conseqüentemente, não trazendo informações dos “adversários” e quase nenhuma ilustração fotográfica, que acabou sendo também um dos obstáculos da pesquisa.

Em 20 de março de 1918, a Lei nº 58 autorizava o Sr. Prefeito José Giestas a contratar, com profissional competente, um álbum contendo vistas de importância, tanto da cidade como dos distritos, além de conter informações sobre o desenvolvimento comercial, industrial e agrícola do município [...]. Este trabalho desapareceu.

Pesquisas também foram realizadas na Biblioteca Pública Estadual, na UFES – Universidade Federal do Espírito Santo (Biblioteca), no Ministério Público Estadual, no Tribunal de Justiça do Espírito Santo, em Igrejas de Afonso Cláudio, no Sindicato Rural, na Superintendência Estadual de Educação e em Cartórios Oficiais.

Quatro publicações sobre a História do Município. das pela escritora Stella Haddad de Souza (“Buscando a Tradição de um Povo”), professora Maria Zuleika Haddad Fafá (“Paróquia São Sebastião – Primeiro Centenário 1889 – 1999”), Jair Giestas (“Fragmentos Históricos do Município”) e Plínio Escopelli Gomes (“Genealogia da Família Gomes e Rosa”) foram outras fontes fundamentais de consulta, procurando sempre não criarmos paralelismos de informações, e, quando isto ocorreu, foi para agregarmos novas e mais informações.

Outro fato relevante, em princípio, foi que só nascemos em Afonso Cláudio, não tendo vivenciado o seu crescimento, a sua cultura e outros valores importantes. Todas as vezes que vínhamos ao município dirigíamo-nos à Fazenda Floresta, de propriedade do meu avô paterno, José Silvestre Vieira, onde pudemos ver e acompanhar suas modificações e crises, o modo de vida dos seus operários, etc. Não foi um fato inibidor, pois hoje já nos sentimos conhecedores da história, valores culturais, sociais, políticos, comerciais, e etc. do município. Sentimo-nos em casa!
Foi maravilhoso constatarmos o trabalho desenvolvimentista realizado por pessoas nascidas ou que tenham adotado Afonso Cláudio como sua terra natal, que, desprendidas à causa comum, marcaram para a posteridade a sua extraordinária atuação no crescimento do município: Sabino Coimbra de Oliveira, Cel. Ramiro de Barros Conceição, Jorge Guilherme Gomes, Cel. Adolpho Rodrigues Gomes, Cel. José Cupertino Figueira Leite, José Giestas, José Jorge Haddad, Emygdio Xavier, Adherbal Galvão, José Ribeiro Tristão, Álvaro Castello, Pedro Saleme, Dr. João Eutrópio, Pe. Paulo, entre outros.

Esta publicação pretende rememorar os principais feitos históricos do município, através do culto e veneração às causas e os vultos do passado, assim como procurar resgatar o respeito à tradição e à história de todos aqueles que foram responsáveis pelo progresso desse torrão capixaba. As citações feitas por época estão sendo publicadas entre aspas, conforme escritas nos originais. Não pretendemos ser escritor e nem temos formação para tal. Portanto, não se usou de rebuçosII, nem ataviosIII literários para a recuperação desta história.

Estaremos, com esta publicação, contribuindo com mais uma parte dessa memória perdida, com o desaparecimento natural das pessoas e de boa parte dos arquivos públicos. Outros trabalhos irão complementando essa história, com certeza.

Galeria de Fotos Extras

  • Distrito de Laranja da Terra – 1940.(Acervo: Prefeitura Municipal de Laranja da Terra)

  • Fazenda Guandu - 1977. (Acervo: Superintendência Regional de Educação de A. Cláudio)

  • Festa no Cine Clube - Conjunto Jazz Glória - Década de 30. (Acervo: Profª. Stella Haddad de Souza - Página 155)

Imagem de



Enviar Comentário

Comentários:

LETÍCIA ALVES GALVAO: “QUERIDOS... SAUDADES DO MEU BISAVô PEDRO SALEME E DO MEU PAI, PEDRO SALEME GALVAO.”
recuperando histórias © 2012
Enviar Comentário

Nome:    
Email:    
Comentário: